Programa Minas Leite reforça ações para melhorar qualidade do produto

Pelo menos mil propriedades leiteiras de agricultura familiar do Estado irão receber neste ano orientação do Governo de Minas para produzir mais, com alta qualidade e utilizando tecnologia de baixo custo e práticas de gestão que tornem a atividade sustentável. Esta é a meta do Programa Estadual da Cadeia Produtiva do Leite (Minas Leite), coordenado pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa). Atualmente, 650 fazendas de agricultores familiares em Minas Gerais estão integradas ao programa.

“Vamos levar o Minas Leite a todo o Estado, possibilitando aos agricultores familiares a agregação de conhecimentos que devem melhorar a produção e tornar o produto mais competitivo”, explica o secretário Elmiro Nascimento. Ele acrescenta que, nas propriedades incluídas no programa, desde já os técnicos da Emater-MG irão intensificar as práticas para a melhoria da qualidade do produto.
Nascimento ainda informa que a Secretaria está atenta às características específicas das regiões leiteiras do Estado para implantar os modelos de excelência da produção por intermédio do Minas Leite. “O programa foi criado há quatro anos, portanto já contamos com experiência bastante para ampliar os resultados”, observa o secretário.
As ações específicas para intensificar a melhoria da qualidade do produto serão permanentes e os extensionistas vão trabalhar com esse objetivo principalmente nas unidades demonstrativas do Minas Leite e nas áreas onde estão instalados os tanques de leite das comunidades, informa o coordenador do programa pela secretaria, Rodrigo Puccini Venturin. “Para garantir a eficiência das ações nessa área, contamos com a parceria principalmente das cooperativas e das indústrias de laticínios”, acrescenta. De acordo com o coordenador, será realizado em maio na Fazenda da Epamig, em Felixlândia, na região Central do Estado, o primeiro treinamento dos técnicos com foco no reforço das ações de melhoria da qualidade do leite.

Bons resultados
Venturin diz que a expectativa de maiores avanços na qualidade do produto tem por base os resultados já alcançados pelo Minas Leite. “As ações desenvolvidas já possibilitam ganhos de qualidade como os registrados na Fazenda São Pedro, localizada em Bocaiúva, no Norte de Minas. Os registros do proprietário, Dilson Geraldo da Silva, mostram que o leite produzido na fazenda teve, no período de dois anos, o índice de proteína aumentado em 6,3%, e o índice de gordura subiu 4,2%, enquanto houve a diminuição da Contagem de Células Somáticas (CSS) do leite de 834 para 238, entre outros resultados positivos obtidos com o controle da alimentação, adoção de práticas sanitárias e cuidados com o manejo do plantel.”
O coordenador assinala que a proposta atual é reforçar a utilização de tecnologia e desenvolver ações relacionadas com a sanidade do plantel para melhorar os índices de qualidade do produto. Para Venturin, os agricultores familiares envolvidos com a produção de leite terão condições de oferecer ao mercado interno um produto cada vez melhor. Além disso, ele acrescenta, “os produtores irão participar da oferta de matéria-prima de alta qualidade para a composição de laticínios destinados à exportação, pois o Minas Leite se destina à modernização de toda a cadeia”.

Custos acessíveis
Nas propriedades já integradas ao Minas Leite, os técnicos da Emater-MG orientam os produtores na adoção das boas práticas de produção, que podem ser desenvolvidas com baixo custo. Entre elas tem destaque o pastejo intensivo rotacionado ou sistema de piquetes, que consiste em áreas cercadas sobre o pasto, localizadas nas proximidades do local de ordenha, onde os animais se alimentam com o complemento de cana-de-açúcar produzida preferencialmente na própria fazenda. De acordo com a orientação dos extensionistas é estabelecido um rodízio dos piquetes utilizados pelos animais, permitindo a recuperação do capim no local em que as vacas se encontravam. Segundo Venturin, o manejo contribui para o aumento dos índices de produção e também da eficiência da mão de obra nas fazendas.
Os piquetes, enfatiza o coordenador, “atendem à proposta de melhorar a utilização das áreas das propriedades rurais mineiras destinadas a pastagens, o que ajuda a garantir a sustentabilidade da produção.” No Sítio Pirapetinga, localizado em Coroaci, no Leste do Estado, os piquetes contribuem atualmente para resultados como uma produção diária 14% superior à registrada em fevereiro de 2010. Um plantel de nove vacas garante a produção média de 120 litros por dia, com a rentabilidade de R$ 0,25 por litro, de acordo com as anotações do proprietário, Marciano Geraldo da Silva.
Venturin acredita que os números da propriedade irão aumentar neste ano, e ressalta a importância do trabalho dos extensionistas para a obtenção desses resultados. Ele informa que, para se cadastrar no Minas Leite, os agricultores familiares devem encaminhar solicitação, por meio de associações comunitárias, aos escritórios da Emater-MG. (Agência Minas)

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Minas Gerais, Saúde

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s